Anúncios

Revista Virtual de Artes, com ênfase na pintura do século XIX

Posts com tag “George Henry Boughton

Outono

John William Godward - AutumnGeorge_Henry_Boughton-Autumn

JOHN WILLIAM GODWARD                                                                              GEORGE HENRY BOUGHTON


cesare-saccaggi-italian-painter-autumnAutumn by Emile Eisman Semenowsky

CESARE SACCAGGI                                                                        ÉMILE EISMAN SEMENOWSKY


O outono toca realejo
No pátio da minha vida.
Velha canção, sempre a mesma,
Sob a vidraça descida…

Tristeza? Encanto? Desejo?
Como é possível sabê-lo?
Um gozo incerto e dorido
De carícia a contrapelo…

Partir, ó alma, que dizes?
Colher as horas, em suma…
Mas os caminhos do Outono
Vão dar em parte nenhuma!
Mario Quintana


Anúncios

Mais do mesmo: George Henry Boughton

George Henry Boughton (English, 1833-1905). 'The Waning Honeymoon,' 1878. oil on canvas. Walters Art Museum (37.129): Acquired by William T. Walters, ca. 1878.27. Boughton, George Henry - The Waning Of The Honeymoon

GEORGE HENRY BOUGHTON  (pintor anglo-americano, 1833-1905)


Trio: Brisa do mar…

George Henry Boughton - Sea Breeze 1880Forget Me Not, engraved by Thomas G Appleton after a picture by George Henry Boughton

the sea breeze by george henry boughton

GEORGE HENRY BOUGHTON
(Norwich, Norfolk, Inglaterra, 4 de dezembro de 1833 – Londres, Inglaterra, 19 de janeiro de 1905)



TRIO: De jardins e livros…

"Se ao lado da biblioteca houver um jardim, nada faltará."

Cícero

sweet solitude_Edmund Blair Leighton

EDMUND BLAIR-LEIGHTON


Woman_Reading_by_George_Henry_Boughton,_c._1900_Albany_Institute_of_History_and_Art

GEORGE HENRY BOUGHTON


A Love Story - Emanuel Phillips Fox (australian painter)

EMANUEL PHILLIPS FOX



Um autor, duas obras: George Henry Boughton

George Henry Boughton ((1833-1905) - AutumnGeorge Henry Boughton - Springtime

GEORGE HENRY BOUGHTON
(Norwich, Norfolk, Inglaterra, 4 de dezembro de 1833 – Londres, Inglaterra, 19 de janeiro de 1905)


Duo: A letra escarlate

George Henry Boughton (1833-1905)- The Scarleet LetterHugues Merle (French, 1823-1881). 'The Scarlet Letter,' 1861. oil on canvas. Walters Art Museum (37.172): Commissioned by William T. Walters, 1859.

GEORGE HENRY BOUGHTON                                                                                          HUGUES MERLE


The Scarlett Letter (A Letra Escarlate) – Escrito em 1850 por Nathaniel Hawthorne (Salem, EUA, 4 de julho de 1804 – Plymouth, EUA, 19 de maio de 1864)

 Na rígida comunidade puritana de Boston do século XVII, a jovem Hester Prynne tem uma relação adúltera que termina com o nascimento de uma criança ilegítima. Desonrada e renegada publicamente, ela é obrigada a levar sempre a letra “A” de adúltera bordada em seu peito. Hester, primeira autêntica heroína da literatura norte-americana, se vale de sua força interior e de sua convicção de espírito para criar a filha sozinha, lidar com a volta do marido e proteger o segredo acerca da identidade de seu amante. Aclamado desde seu lançamento como um clássico, A letra escarlate é um retrato dramático e comovente da submissão e da resistência às normas sociais, da paixão e da fragilidade humanas, e uma das obras-primas da literatura mundial.

LEIA MAIS: Resenha de Carlos Graieb publicada na edição de VEJA de 31 de agosto de 2011



“A saudade mata a gente”…

memories-1896-George Henry Boughton

Saudade é um buraco dolorido
na alma. A presença de uma
ausência. A gente sabe que
alguma coisa está faltando. Um
pedaço nos foi arrancado. Tudo
fica ruim. A saudade fica uma
aura que nos rodeia. Por onde
quer que a gente vá, ela vai
também. Tudo nos faz lembrar
a pessoa querida. Tudo que é
bonito fica triste, pois o bonito
sem a pessoa amada é sempre
triste. Aí, então, a gente
aprende o que significa amar:
esse desejo pelo reencontro
que trará a alegria de volta.
A saudade se parece muito
com a fome. A fome também é
um vazio. O corpo sabe que
alguma coisa está faltando.
A fome é a saudade do corpo.
A saudade é a fome da alma.

Rubem Alves

Pintura: George Henry Boughton