Revista Virtual de Artes, com ênfase na pintura do século XIX

Posts com tag “DANÇA

“Do you wanna dance?”

mambo-Ty Wilsonsamba-Ty Wilson

MAMBO                                                                                                      SAMBA


bop-Ty Wilsoncharleston-Ty Wilson

BOP                                                                                                   CHARLESTON


tango-Ty Wilsonbolero-Ty Wilson

TANGO                                                                                           BOLERO


fox-trot-Ty Wilsonrumba-Ty Wilson

FOX-TROT                                                                                         RUMBA


Artista afro-americano TY WILSON

SITE: TY WILSON


Trio – Pintores Contemporâneos: Dança

“A Dança é, na minha opinião, muito mais do que um exercício, um divertimento, um ornamento, um passatempo social; na verdade, é uma coisa até séria e, sob certo aspecto, mesmo, uma coisa sagrada. Cada era que compreendeu a importância do corpo humano, ou que, pelo menos, teve a noção sensorial de sua estrutura, de seus requisitos, de suas limitações e da combinação de genialidade que lhe são inerentes, cultivou, venerou a Dança."

Paul Valéry

hamish blakely

HAMISH BLAKELY – Reino Unido


The Golden Shawl - Susan Lyon (american-contemporary artist)

SUSAN LYON (EUA)


Classical Dance. Georgy Kurasov (Russian, born 1958)

GEORGY KURASOV (RÚSSIA)



Trio: Flamenco!

JULES JAMES ROUGERON (1841-1880) The Dancer, 1876

JULES JAMES ROUGERON (França, 1841-1880)


2.gonzalo-bilbao-martinezbaile por bulerias-1884 by Jose Garcia y Ramos (spanish, 1852-1912)

GONZALO BILBAO MARTINEZ (Espanha, 1860-1938)                                      JOSE GARCIA Y RAMOS (Espanha, 1852-1912)



Trio: “Bailaoras” – Artistas Contemporâneos

1-Bailaoras-ricardo-sanzDanielFGerhartz_the_dance

RICARDO SANZ                                                                                      DANIEL GERHARTZ


La_Nobleza_del_Flamenco_by_richard young

RICHARD YOUNG



Trio: “Bailaoras”

JOHN HAYNES-WILLIAMS


Alfred Dehodencq-A Gypsy Dance in the Gardens of the Alcázar, in front of the Charles V Pavilion-1851

ALFRED DEHODENCQ


M.Crespo-patio_andaluz

M. CRESPO



Bailarinas – Galeria 5

DANÇA LENTA

Não somos nem bons nem maus:
somos tristes. Plantados entre chão
e estrelas, lutamos com sangue,
pedras e paus, sonho
e arte.

Nem vida nem morte:
somos lúcida vertigem,
glória e danação. Somos gente:
dura tarefa.
Com sorte, aqui e ali a ternura
faz parte.

Lia Luft

The corps de ballet, Cercle del Liceu, Barcelona (1901-1902). Ramon Casas i Carbó (Spanish, 1866-1932)

RAMON CASAS Y CARBÓ


A seated ballerina-Walter-Ernest-Webster (British, 1878-1959)Vicente Palmaroli y Gonzales - the ballet dancer

WALTER ERNEST WEBSTER                                                                VICENTE PALMAROLI Y GONZALES


Ballerina -1904- Frederick Carl Frieseke (american painter)A Ballerina. Pierre Carrier-Belleuse (French, Academic, 1851-1931)

FREDERICK CARL FRIESEKE                                                                                PIERRE CARRIER-BELLEUSE


Oswald Richter (German, 1861-1937) Ballerinas After the PerformancePortrait Of A Dancer- Pierre Carrier-Belleuse

OSWALD RICHTER                                                                       PIERRE CARRIER-BELLEUSE


Two Dancers Entering the Stage - Edgar DegasThe Dancer (1874). Auguste Renoir (French, 1841-1919). Oil on canvas. National Gallery of Art

EDGAR DEGAS                                                                                              PIERRE-AUGUSTE RENOIR



Pintores Contemporâneos: Dança

Between Expressions by Hamish Blakelyeleg 070 web

HAMISH BLAKELY                                                                        ROB HEFFERAN


GuanZeju30celina com abanico-Fabian Perez

GUAN ZEJU                                                                       FÁBIAN PÉREZ


Saturday Night. Juarez Machado (Brazilian, 1941-)richard-young_that-tango-moment

JUAREZ MACHADO                                                                              RICHARD YOUNG


Georgy Kurasov 2sergio-martinez-cifuentes--5

GEORGY KURASOV                                                                  SERGIO MARTINEZ CIFUENTES


kb-Hanks-Steve-The-Rehearsal

STEVE HANKS (aquarela)


Anniversary Waltz (2011). Jack VettrianoDanielFGerhartz_the_dance

JACK VETTRIANO                                                                               DANIEL GERHARTZ



Temas da pintura: Dança – Galeria 8

Leon Eduardo Garrido- Die Tanzvorführung 1906

EDUARDO LEON GARRIDO


the harem dance-Fabio Fabbi

FABIO FABBI


Guerrero_Manuel_Ruiz_The_Flamenco_Dance

MANUEL RUIZ GUERRERO


31a. Kaemmerer, Frederick Hendrik - Minuet

FREDERIK HENDRIK KAEMMERER


A Hunt Ball -1885- Julius LeBlanc Stewart (american)

JULIUS LEBLANC STEWART


Władysław_Bakałowicz-The_Ball_at_the_Court_of_Henry_Valois

WLADYSLAW BAKALOWICZ


Cafe de Paris - 1900 - Jean Beraud (french painter)Spring Dance - Franz von Stuck-1912

JEAN BERAUD                                                                                          FRANZ VON STUCK


the costume ball - Edouard Toudouze (french painter)

EDOUARD TOUDOUZE


DANÇA LENTA

Não somos nem bons nem maus:
somos tristes. Plantados entre chão
e estrelas, lutamos com sangue,
pedras e paus, sonho
e arte.

Nem vida nem morte:
somos lúcida vertigem,
glória e danação. Somos gente:
dura tarefa.
Com sorte, aqui e ali a ternura
faz parte.

Lia Luft



Um autor, duas obras: Fabio Fabbi

Fabbi_Fabbio_The_Tambourine_Dancer (2)fabio-fabbi-italian-painter-1861-1946-thedancer

FABIO FABBI
(Bolonha, Itália, 1861-1946)


Temas da Pintura: Dança–Galeria 7

"A Dança é, na minha opinião, muito mais do que um exercício, um divertimento, um ornamento, um passatempo social; na verdade, é uma coisa até séria e, sob certo aspecto, mesmo, uma coisa sagrada. Cada era que compreendeu a importância do corpo humano, ou que, pelo menos, teve a noção sensorial de sua estrutura, de seus requisitos, de suas limitações e da combinação de genialidade que lhe são inerentes, cultivou, venerou a Dança."

(Paul Valéry)

Apperley_George_Owen_Wynne_CastanetsJules James Rougeron (1841-1880) The Dancer

GEORGE OWEN WYNNE APPERLEY                                                                 JULES JAMES ROUGERON


The Dance by Aimé Gabriel-Adolphe Bourgoin, 1870 FranceFabbio Fabbi (1861-1910) The Dance

AIMÉ GABRIEL-ADOLPHE BOURGOIN                                                                            FABBIO FABBI


JoseJimenezAranda - The Dancing Lesson

JOSE JIMENEZ ARANDA


Sir Edward John Poynter (1836-1919) The lonian Dance

SIR EDWARD JOHN POYNTER


François Brunery (1849 - 1926) - A spirited dance

FRANÇOIS BRUNERY


A Dance for the Priest - Jose Garcia y Ramos

JOSE GARCIA Y RAMOS



Miscelânea: Pintores Contemporâneos – 8

That Tango Moment - Richard YoungAnniversary Waltz (2011). Jack Vettriano

RICHARD YOUNG                                                                   JACK VETRIANO


Steve Hanks_The_Music_Room_De

STEVE HANKS


Elegance. Rob Hefferan (English, 1968-)

ROB HEFFERAN


30.pino28.pino

PINO DAENI


an-he--r8StephenGjertson_the_recorder_lesson

AN HE                                                                                           STEPHEN GJERTSON


RicardoSanz1

RICARDO SANZ


Tango Rouge by Hamish Blakely

HAMISH BLAKELY


William_Whitaker_11

WILLIAM WHITAKER



Temas da Pintura: Dança–Galeria 6

Renoir_dance_at_bougivalrenoir_dance_in_the_country1882 auguste renoir danse à la ville

PIERRE AUGUSTE RENOIR


Mademoiselle de Camargo Dancing (1730). Nicolas Lancret (French,1690-1743)

NICOLAS LANCRET


the_dancing_girl-charles-edward-halleesme-dancing-by-beatrice-offor

CHARLES EDWARD HALLE                                                              BEATRICE OFFOR


                          

elegant-soiree-Jean-Georges Béraud

JEAN BÉRAUD


A Hunt Ball -1885- Julius LeBlanc Stewart (american)

JULIUS LEBLANC STEWART


La Danse Improvisée (ca 1830). Jean-Alphonse Roehn (France, 1799-1864)

JEAN ALPHONSE ROEHN


Fabio-Fabbi-Harem-Dancers

FABIO FABBI


Fowler_Robert_The_Dance_of_Salome_1885

ROBERT FOWLER


El jaleo - 1882 - John Singer Sargent (american painter)

JOHN SINGER SARGENT


Three Dancers (1910). Ludwig von Langenmantel (German,1854-1922)

LUDWIG VON LANGENMANTEL



Pintura: Dança – 5

LA DANZA-guglielmo-zocchi

GUGLIELMO ZOCCHI


3.edward-john-poynter

EDWARD JOHN POYNTER


9.carl-herpfer

CARL HERPFER


gioacchino-pagliei-2gioacchino pagliei-4-

GIOACCHINO PAGLIEI


frederick-morgan--

FREDERICK MORGAN


4.eduardo-leon-garrido

EDUARDO LEON GARRIDO


CONTEMPORÂNEOS

2.hamish-blakely

HAMISH BLAKELY


CarlosMeira4Leech_Raymond_Put_On_Your_Red_Shoes

CARLOS MEIRA (colagem)                                                                                   RAYMOND LEECH


RicardoSanz1

RICARDO SANZ


William_Whitaker_11

WILLIAM WITHAKER


douglas-hofmann-13

DOUGLAS HOFMANN


kb-Hanks-Steve-The-Rehearsal

STEVE HANKS (aquarela)



Pintura: Dança – 4

"A Dança é, na minha opinião, muito mais do que um exercício, um divertimento, um ornamento, um passatempo social; na verdade, é uma coisa até séria e, sob certo aspecto, mesmo, uma coisa sagrada. Cada era que compreendeu a importância do corpo humano, ou que, pelo menos, teve a noção sensorial de sua estrutura, de seus requisitos, de suas limitações e da combinação de genialidade que lhe são inerentes, cultivou, venerou a Dança."

(Paul Valéry)


NicolasLancret

NICOLAS LANCRET


alexander-mark-rossi-May_I-Have_This_Dance

ALEXANDER MARK ROSSI


rudolf-rossler-05

RUDOLF ROSSLER


fabbio-fabbi(3)fabbio-fabi(1)

FABIO FABBI


ARTISTAS CONTEMPORÂNEOS

Tango Rouge by Hamish Blakelypaul-van-ginkel-

HAMISH BLAKELY                                                                                                                     PAUL VAN GINKEL


RicardoSanz (2)

RICARDO SANZ


vetriano-jack--

JACK VETRIANO


16-michael-cheval

MICHAEL CHEVAL


30-pinopino-daeni-r18

PINO DAENI


eleg041   eleg 070 web

ROB HEFFERAN



Temas da Pintura: Dança (2)

a_flamenco_dancer-ArthurKampf-1864-1950daniel-hernandez--5-

ARTHUR KAMPF                                                                                DANIEL HERNANDEZ


gioacchino-pagliei-2FrançoisBrunery

GIOACCHINO PAGLIEI                                                                         FRANÇOIS BRUNNERY


at_the_ball-FrederickVezin

FREDERICK VEZIN


august-hermann-knoop-3-anton-romako--

AUGUST HERMANN KNOOP                                                                                 ANTON ROMAKO


Blom_Gustav_Vilhelm_The_Candlelight_Dance_1886

GUSTAV WILHELM BLOM


HenryVictorLesur

HENRY VICTOR LESUR


Lanchaise_Eugene_Armand_Danse_Japonaise_1889

EUGENE ARMAND LANCHAISE


GeorgesFichefet_au_cafe_theatre

GEORGES FICHEFET


FabbioFabbi3nAgapitStevens-3b

FABBIO FABBI                                                                        AGAPIT STEVENS



Dança lenta…

Photo by Willyam Bradberry

Não somos nem bons nem maus:
somos tristes. Plantados entre chão
e estrelas, lutamos com sangue,
pedras e paus, sonho
e arte.

Nem vida nem morte:
somos lúcida vertigem,
glória e danação. Somos gente:
dura tarefa.
Com sorte, aqui e ali a ternura
faz parte.

Lia Luft


Temas da Pintura: Dia Internacional da Dança

DANÇA, BAILARINA, DANÇA…

chen-reflection

Dança, bailarina, dança…
Dança, bailarina, dança…
Põe nos teus passos toda a harmonia
E toda a poesia nas pontas de teus pés
Em gestos nobres, faze surgir a fé!!!

Gira, bailarina, gira…
Vai girando e semeando amor,
Mais depressa que as voltas do mundo,
Pra que haja tempo de matar a dor!

Baila, bailarina, baila…
Traze contigo a primavera
Pra florir os campos, florescendo a Terra,
Numa explosão de cores que tua dança encerra.

Faze de tua arte uma suave prece
Capaz de enternecer os corações de pedra
Faze tua música soar tão alto

Calando assim os estopins da guerra!!!

Mostra ao Homem que o teu bailado
Expressa a vida nesse simples ato…
Onde o amor é tudo, onde o amor é nato.

Que em teus saltos ponhas tua garra
Seguindo sempre a luz de teu clarão,
Quebrando muros para unir os povos
Num universo único, onde se dêem as mãos.

Abre tua alma, no esplendor da dança…
Não desistas nunca e verás, enfim,
Bailar no campo, doce e cálida esperança,

Em meio às flores de um lindo jardim… 

(Carmen Lucia Carvalho de Souza)

Pintura: Chen Yiming


GALERIA – BAILARINAS – 2

Pierre-Auguste_Renoir_Danseuse_1874

PIERRE AUGUSTE RENOIR


Carrier_Belleuse_Pierre_La_Danseuse_1897PierreCarrier-Belleuse1

PIERRE CARRIER-BELLEUSE


Degas-dEdgarDegas

EDGAR DEGAS


Webster-Charles

CHARLES WEBSTER


The_Prima_Ballerina comerre

LEON COMERRE                            


ARTISTAS CONTEMPORÂNEOS

ACapel_n

ANTONIO CAPEL


9_Guan_Zeju_20

GUAN ZEJU


SGroshev4

SLAVA GROSHEV


RobHefferan3RHefferanDance 008

ROB HEFFERAN


BenjaminWu2

BENJAMIN WU


TiitiGarelli4TiitiGarelli3

TIITI GARELLI


ASheverskogo1

ALEXANDER SHEVERSKY


MarkLovett (2)

MARK LOVETT


SandraKuck

SANDRA KUCK


Hofmann,-Douglas-Dying-Swan-end

DOUGLAS HOFFMANN



Carmen Amaya

carmen_amaya

Carmen Amaya
(Barcelona,Espanha, 2 de novembro de 1913 – Bagur, província de Gerona, Espanha, 19 de novembro de 1963)
Bailarina espanhola. De família cigana, sua mãe, Micaela Amaya, era também  bailarina e seu pai Francisco Amaya (El Chino), violonista e quem a iniciou na dança . Mas as ruas, a família e seu sangue cigano foram seus verdadeiros mestres. Das ruas passou aos teatros e dali para as melhores casas de espetáculos de Madrid, em uma ascenção meteórica, que logrou revolucionar a dança flamenca que se fazia na época, com um estilo jamais visto até então.
Carmen também cantava, mas seus dotes de bailarina acabaram por eclipsar sua faceta de cantora.  Em 1929 constituiu o Trío Amaya e em 1935 iniciou viagens por todo o mundo, debutando no Coliseum de Madrid. Em 1936 emigrou para a América e fixou residência em Buenos Aires. De volta à Espanha em 1947, já havía se convertido numa estrela internacional por suas atuações nos EUA, como protagonista em algumas películas
.

                     carmenamaya carmen1 carmen2


 

Follow the Boys – 1944


 

Filme: Maria de la O – 1939



Anna Pavlova

Anna Pavlova Matjeweja
(São Petersburgo, Rússia, 3 de janeiro de 1881- Haia, 23 de janeiro de 1931)
Desde cedo revelou um grande talento para a dança clássica. Em 1908 estreou em Paris, Théâtre du Châtelet com a Companhia de Dança de Diaghilev. Excursionou por vários países em todo o mundo. Seu extraordinário talento, com interpretações extremamente pessoais, deu um novo sentido aos balés clássicos.Com 17 anos apenas, atuou como primeira-solista no Teatro Imperial de sua cidade natal, do qual se tornou primeira-bailarina em 1906. Em 1905, foi primeira-bailarina de Michail Fokin em O Lago dos Cisnes (com música de Camille Saint-Saëns), a obra que a imortalizou. Pertenceu aos Ballets Russes que Serguei Diaguilev fundou em Paris com bailarinos de São Petersburgo e Moscou. Com este grupo, e mais tarde com a própria companhia, realizou várias turnês pela Europa, América e Ásia.
Grande bailarina, destacou-se pela disciplina e pela técnica brilhante, a que uniu a grande expressividade de sua força individual. Em 1914, atuou pela última vez na Rússia.(Fonte: netsaber)

   

               


 


MATA HARI

Mata Hari
(Leeuwarden, 7 de agosto de 1876 – Vincennes, França, 15 de outubro de 1917)
Seu verdadeiro nome era Margaretha Geertruida Zelle. Com o nome artístico de Mata-Hari (Olho da Manhã), iniciou uma carreira de bailarina em Paris e ficou conhecida como intérprete virtuosa de danças orientais. Suas atuações em clubes noturnos atraíram numerosos admiradores à capital francesa. Nos anos seguintes, fez várias excursões pela Europa e, quando eclodiu a Primeira Guerra Mundial, passando por sérias dificuldades financeiras, tornou-se espiã sob as ordens do cônsul alemão na França, travando conhecimento com numerosas
personalidades influentes. Após uma visita ao adido militar alemão em Madri, foi presa quando voltava a Paris, condenada à morte e executada, acusada de espionagem para o governo alemão. (Netsaber) 
SAIBA MAIS: HISTÓRIA VIVA

 
    

          


      

DIA INTERNACIONAL DA DANÇA

O dia Internacional da Dança foi criado em 1982 pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura). A data 29 de Abril comemora o aniversário de Jean-George Noverre (nascido em 1727), formulador das bases cênicas da dança no século dezoito e autor das "Cartas sobre a Dança e os Ballets", livro fundamental até hoje para estudar a teoria e a prática da Dança.
 
A BAILARINA

 
ESTA MENINA
TÃO PEQUENINA
QUER SER BAILARINA
NÃO CONHECE NEM DÓ NEM RÉ
MAS SABE FICAR NA PONTA DO PÉ.
 NÃO CONHECE NEM MI NEM FÁ
MAS INCLINA O CORPO PARA LÁ E PARA CÁ.
NÃO CONHECE NEM LÁ NEM SI,
MAS FECHA OS OLHOS E SORRI.
RODA, RODA, RODA COM OS BRACINHOS NO AR
E NÃO FICA TONTA NEM SAI DO LUGAR.
PÕE NO CABELO UMA ESTRELA E UM VÉU
E DIZ QUE CAIU DO CÉU.
ESTA MENINA
TÃO PEQUENINA
QUER SER BAILARINA.
MAS DEPOIS ESQUECE TODAS AS DANÇAS,
E TAMBÉM QUER DORMIR COMO AS OUTRAS CRIANÇAS.
(Cecília Meireles)
 
A BAILARINA GRIS 
de Degas
 
PENDIDA
como de uma corola o tempo de
uma flor, ela treme:
seu rosto de vinho e maçã
flui no nostálgico acento
com que ao vento se curva, uma tênue
figura.
De chuva
é a leveza de seu olhar parado, de espuma
é seu sapato, e seu pé
informado e prudente arma um pássaro triste na
[sombra.
PENDIDA,
debruçada de si como uma lágrima
a bailarina rompe
o segredo: do outro lado é que se esvai
a rosa, seu sangue
é este espanto de que se forma o corpo
do silêncio.
(Walmir Ayala – 1933/1991)
 
 
 

Dança, bailarina, dança…
Dança, bailarina, dança…
Põe nos teus passos toda a harmonia
E toda a poesia nas pontas de teus pés
Em gestos nobres, faze surgir a fé!!!
Gira, bailarina, gira…
Vai girando e semeando amor,
Mais depressa que as voltas do mundo,
Pra que haja tempo de matar a dor!
Baila, bailarina, baila…
Traze contigo a primavera
Pra florir os campos, florescendo a Terra,
Numa explosão de cores que tua dança encerra.
Faze de tua arte uma suave prece
Capaz de enternecer os corações de pedra
Faze tua música soar tão alto
Calando assim os estopins da guerra!!!
Mostra ao Homem que o teu bailado
Expressa a vida nesse simples ato…
Onde o amor é tudo, onde o amor é nato.
Que em teus saltos ponhas tua garra
Seguindo sempre a luz de teu clarão,
Quebrando muros para unir os povos
Num universo único ,onde se dêem as mãos.
Abre tua alma, no esplendor da dança…
Não desistas nunca e verás, enfim,
Bailar no campo, doce e cálida esperança,
Em meio às flores de um lindo jardim…
(Carmen Lucia Carvalho de Souza)
 

Tango

                                                 

 O tango é um dos ritmos mais bonitos e sensuais de todas as danças e está entre os preferidos por dançarinos de todo o mundo. Apesar de atualmente ser conhecido como o ritmo característico da Argentina, a origem do tango está na África. Os negros escravos levados de lá para a América Central, levaram consigo seus principais costumes, dentre os quais uma dança denominada Tangano. Com a migração desses negros para o sul, o Tangano foi levado para a região do Rio da Prata, tornando-se muito popular entre as pessoas da zona portuária. Por volta do século XIX, o Tangano se desenvolveu no que ficou conhecido como o Tango Argentino.
Dizem que a palavra tangó é de origem africana que significaria algo parecido a quilombo em português. Lugar de agrupação de escravos para dançar e fazer seus ritos religiosos. Isso faziam somente com percussão. Estes escravos do litoral do Rio de la Plata por volta de 1850, eram imitados e caçoados em sua forma de dançar pelos compadritos do lugar. Compadritos eram imigrantes, gente do campo e recém chegada a cidade, ainda com costumes gaúchescas. Desta imitação, saiu algo original mas muito distante do tango que conhecemos hoje. Em cima desta maneira de bailar, puseram uma musica desconhecida até o momento, que era mistura da habanera, tango andaluz y milonga. Por tanto, o tango nasce primeiro como forma de baile, depois como música e por ultimo como canção.
Primeiramente, o tango foi dançado apenas por pessoas das classes mais pobres, pois era discriminada pelos ricos. No entanto, por volta de 1910, houve uma transformação de caráter no tango, o que o tornou perfeitamente aceito por toda a comunidade. Nesta época formavam-se os primeiros grupos de tocadores de tango, cujo instrumento fundamental é o bandoneon, uma espécie de acordeão semelhante à gaita gaúcha. Com tempo, foram juntando-se ao bandoneon o piano, o violino, a guitarra e o contrabaixo. O Bandoneon foi o último instrumento a incorporar a orquestra típica. No fim do século passado os conjuntos de tango eram de flauta e violão, depois entrou o piano, o violino, contrabaixo e bandoneon. Neste período, a música do subúrbio se expandia a outros bairros de Buenos Aires, aos cafés, Zona Norte e lugares onde se dançava o tango. Antes ainda da Primeira Guerra Mundial, o tango foi muito difundido pela Europa e Estados Unidos, conhecido a partir daí em todo o mundo e ocupando um lugar de destaque entre as danças de salão.
Na primeira década do século XX, foram 3 argentinos provar a vida em Paris. Levaram o tango, que rapidamente foi aceito pela sociedade francesa, que ditava moda no mundo inteiro. Logo depois, por cópia da sociedade francesa, a burguesia começa aceitar o tango, mas não se podia dançar com corte. (Corte era o momento que cortavam a caminhada ou o passo para um certo esfrega-esfrega. Os corpos dos dançarinos estavam mais juntos que de costume nas outras danças da época. Por isso era proibido pela alta sociedade). O Tango voltou da Europa um pouco distorcido e mais distorcido ficou quando Rodolfo Valentino dança em Hollywood vestido de gaúcho e com uma flor entre os dentes. Infelizmente essa idéia existe até hoje entre muitos brasileiros.
Entre 1915 e 1925, o tango ganhou voz com o cantor Carlos Gardel, considerado o representante maior da música portenha. O marco zero do tango canção é em 1917 quando Carlos Gardel canta pela primeira vez "MI NOCHE TRISTE " e daí em diante, sempre foi êxito até sua morte inesperada em 1935 num acidente de avião.
Gravou dezenas de melodias que o consagraram, como Sus Ojos se Cerraron, Amargura, Por una Cabeza, Cuesta Abajo, Mano a Mano e suas marcas registradas Mi Buenos Aires Querido e El Día que me Quieras. Desde sua morte o cantor passou a ser referência para os "tangueros", que desde então disputam a honra de tentar ser o herdeiro de Carlos Gardel.
Por volta de 1948 nasce a chamada escola de vanguarda do tango, que se prolongou até a década de 80, não significando, no entanto, a morte do velho tango. O maior representante deste período foi Astor Piazzolla, que deu ao tango características modernas, com breves, porém marcantes passagens jazzisticas. Atualmente, as aulas de tango lotam as academias de dança de salão do mundo todo devido à sua beleza ímpar. Saber "bailar el tango" é ter do rosto às pontas dos pés todo o glamour deste ritmo tipicamente argentino.

fonte:  http://www.lusitango.com



Antonio Gades

Antonio Esteve Ródenas nasceu em Elda (Alicante-Espanha) em 14 de novembro de 1936. Deu seus primeiros passos de bailarino com La Palitos, mas logo chamou a atenção de Pilar López, que foi quem lhe apelidou de Antonio Gades quando entrou em sua companhía de dança em 1952, aos dezesseis anos. Logo se converteu no primeiro bailaríno dessa companhia, algo vital para sua formação. Na década de 60, realizou sua primeira grande obra,o "Don Juan" de Alfredo Mañas, em colaboração com o maestro José Granero. Neste momento passou a ter sua própria companhia de dança e logo seus passos seriam imortalizados na trilogia filmada por Carlos Saura: “Bodas de sangue”, “Carmen” e “Amor Bruxo".
Ele foi o genial e verdadeiro bailarino bruxo, último mito vivo da dança, referência ética fundamental nas artes em geral e uma ponte humana de modernidade entre várias gerações de grupos de balé espalhados pelo planeta. A perfeição sempre foi sua meta, tanto que seu espetáculo refletia, como nenhum outro na dança, o suor e as lágrimas do povo, mas sempre jogando a luz da esperança. Comunista autêntico, sua ligação com Cuba era ideológica e sentimental. Ganhou a amizade de Fidel Castro e a admiração dos anônimos da ilha.
Gades tinha um rosto intenso, desses que mostram haver vivido muito, chorado muito, amado muitas mulheres, porisso sua força expressiva saltou fronteiras.
Morreu em Madrid em 21 de julho de 2004. Sobre a morte, Gades afirmava: “Vem como o vento e eu partirei como o vento, e não ficará nada”.

Se Antoni Gaudi paralisa

dança em pedra,

António Gades se move

na arquitetura gestual

de mãos e pés.

Gaudi congela o movimento

para atravessar o tempo,

Gades ocupa o espaço

com a redundância da imobilidade.

  O traço de Gaudi

engaiola o vôo

e solta o pássaro.

O passo de Gades

imobiliza o projeto

e evita o acaso.

Quando pensa parques,

 Gaudi baila

ao ritmo desigual

da beleza esparsa.

Ao balançar o corpo,

Gades concentra

o plano nos detalhes

dos músculos tensos.

  O palco de Gaudí

é a Sagrada Família,

de cujas torres longas

ergue a voz

e o limo da terra

rumo ao céu.

Os prédios de Gades

têm tijolos de gestos,

janelas de saltos,

portas de piruetas,

jeito de o acrobata

ser grato a Deus.

(José Nêumanne Pinto)

Música incidental: Habanera – Nana Mpuskouri