Revista Virtual de Artes, com ênfase na pintura do século XIX

Posts com tag “Cecília Meireles

Embalo da Canção

vlaho-bukovac-daydreams2

EMBALO DA CANÇÃO
Que a voz adormeça
que cante a canção!
Nem o céu floresça
nem floresça o chão.
(Só – minha cabeça,
só – meu coração.
Solidão)
Que não alvoreça
nova ocasião!
Que o tempo se esqueça
de recordação!
(Nem minha cabeça,
nem meu coração.
Solidão!)
Cecília Meireles,
in Vaga Música

Pintura: Vlaho Bukovac (Cavtat, Croácia, 4 de julho de 1855 – Praga, República Checa, 23 de abril de 1922)


Embalo da Canção

Karl Kaufmann (1843 - 1902_5) - A Pensive Beauty

 

EMBALO DA CANÇÃO

Que a voz adormeça
que cante a canção!
Nem o céu floresça
nem floresça o chão.
(Só – minha cabeça,
só – meu coração.
Solidão)
Que não alvoreça
nova ocasião!
Que o tempo se esqueça
de recordação!
(Nem minha cabeça,
nem meu coração.
Solidão!)

Cecília Meireles,
in Vaga Música

Pintura: Karl Kaufmann

(Neuplachowitz, Áustria, 1843 – Viena, Áustria, 27 de abril de 1905)

_unbenannt__5


Estátua

garden1

Jardim da tarde divina,
por onde íamos passeando
saudade e melancolia.
Toda a gente me falava.
E nasceu minha alegria
do que não me disse nada.
O azul acabava-se, e era
céu, toda a sua cabeça,
poderosamente bela.
Nos seus olhos sem pupilas
meus próprios versos estavam
como memórias escritas.
E na curva de seu lábio,
o ar, em música transido,
perguntava por seu hálito.
Ah, como a tarde divina
foi velando suas flores,
água, areia, relva fria …
Nítida, redonda lua
prolongou seu corpo imóvel
numa perfeição mais pura.
Fez parecer que sorria
seu rosto para meu rosto:
divindade quase em vida.
Minha cegueira, em seus olhos
minha voz entre seus lábios,
e minha dor em seus modos.
Minha forma no seu plinto,
livre de assuntos humanos.
De longe. Sorrindo.
Cecília Meireles
in Mar Absoluto


Inscrição

Summer-Duffy Sheridan

Inscrição

Sou entre flor e nuvem,
estrela e mar. Por que
havemos de ser unicamente
humanos, limitados em chorar?
Não encontro caminhos fáceis
de andar. Meu rosto vário
desorienta as firmes pedras
que não sabem de água e de ar
E por isso levito.
É bom deixar
Um pouco de ternura e encanto indiferente
de herança, em cada lugar.
Rastro de flor e estrela,
Nuvem e mar.
Meu destino é mais longe e meu passo mais rápido:
A sombra é que vai devagar.

Cecília Meireles

Pintura: Duffy Sheridan (EUA, 1947 -)


Três momentos: Cecília Meireles

cc curran 1922

CANÇÃO EXCÊNTRICA

Ando à procura de espaço
para o desenho da vida.
Em números me embaraço
e perco sempre a medida.
Se penso encontrar saída,
em vez de abrir um compasso,
protejo-me num abraço
e gero uma despedida.

Se volto sobre o meu passo,
é já distância perdida.

Meu coração, coisa de aço,
começa a achar um cansaço
esta procura de espaço
para o desenho da vida.
Já por exausta e descrida
não me animo a um breve traço:
– saudosa do que não faço,
– do que faço, arrependida.

Pintura: Charles Courtney Curran (EUA, 1861-1942)


William Henry Margetson (british, 1861-1940)-castles of sand -1898

APRESENTAÇÃO

Aqui está minha vida – esta areia tão clara
com desenhos de andar dedicados ao vento.

Aqui está minha voz – esta concha vazia,
sombra de som curtindo o seu próprio lamento.

Aqui está minha dor – este coral quebrado,
sobrevivendo ao seu patético momento.

Aqui está minha herança – este mar solitário,
que de um lado era amor e, do outro, esquecimento.

Pintura: William Henry Margetson (Inglaterra, 1861-1940)


MaxfieldParrish-reveries
REINVENÇÃO

A vida só é possível reinventada.
Anda o sol pelas campinas e passeia a mão dourada pelas águas, pelas folhas. . .
Ah! Tudo bolhas que vêm de fundas piscinas de ilusionismo… – mais nada.
Mas a vida, a vida, a vida, a vida só é possível reinventada.
Vem a lua, vem, retira as algemas dos meus braços.
Projeto-me por espaços cheios da tua Figura.
Tudo mentira! Mentira da lua, na noite escura.
Não te encontro, não te alcança…
Só – no tempo equilibrada, desprendo-me do balanço que além do tempo me leva.
Só – na trevas fico: recebida e dada.
Porque a vida, a vida, a vida, a vida só é possível reinventada.

Ilustração: Maxfield Parrish (EUA, 1870 – 1966)


0000

Cecília Meireles, escritora. (Foto da Folhapress) (Foto: Folhapress)

Cecília Benevides de Carvalho Meireles

(Rio de Janeiro, 7 de novembro de 1901 — Rio de Janeiro, 9 de novembro de 1964)
Poetisa, pintora, professora e jornalista brasileira.



Sonhei um sonho…

autumn-thomas-benjamin-kennington-

Sonhei um sonho
e lembrei-me do sonho
e esqueci-me do sonho
e sonhei que procurava
em sonho aquele sonho
e pergunto se a vida
não é um sonho que procura um sonho.

Cecília Meirelles

Pintura: “Outono” – Thomas Benjamin Kennington (Inglaterra, 1856-1916)


Trio: “Sonhei um sonho”…

Sweet Repose, Valentine Cameron Prinsep

VALENTINE CAMERON PRINSEP


Edoardo Tofano-giovane donna in un interno-1875

EDOARDO TOFANO


After a night out, Henri Joseph Thomas. (1878 - 1972)

HENRI JOSEPH THOMAS


SONHEI UM SONHO

Sonhei um sonho
e lembrei-me do sonho
e esqueci-me do sonho
e sonhei que procurava
em sonho aquele sonho
e pergunto se a vida
não é um sonho que procura um sonho.

(Cecília Meirelles)



“O tempo passou na janela”… Galeria 8

La pensierosa - Marie Spartali Stillman (british)

MARIE SPARTALI STILLMAN


Asterié by Sir Edward John Poynter - 1904waiting by the window - Georg Papperitz

EDWARD JOHN POYNTER                                                                            GEORG PAPPERITZ


A LOOKING OUT O'WINDOW, SUNSHINE- Laura T. Alma-TademaRobert Walker MacBeth -(scottish-1848-1910) The Nightingale's Song 1904

LADY LAURA ALMA-TADEMA                                                                 ROBERT WALKER MACBETH


Andrew Wyeth - Christina Olson (1947)woman by a window-Richard Edward Miller

ANDREW WYETH                                                                    RICHARD EDWARD MILLER


"Quando falo dessas pequenas felicidades certas, que estão diante de cada janela, uns dizem que essas coisas não existem, outros que só existem diante das minhas janelas, e outros, finalmente, que é preciso aprender a olhar, para poder vê-las assim”.

Cecília Meireles