Anúncios

Revista Virtual de Artes, com ênfase na pintura do século XIX

POESIAS

Reverie

22.alfred-stevens_reverie

"Refugia-te na Arte" diz-me Alguém
"Eleva-te num vôo espiritual,
Esquece o teu amor, ri do teu mal,
Olhando-te a ti própria com desdém.

Só é grande e perfeito o que nos vem
Do que em nós é Divino e imortal!
Cega de luz e tonta de ideal
Busca em ti a Verdade e em mais ninguém!"

No poente doirado como a chama
Estas palavras morrem… E n’Aquele
Que é triste, como eu, fico a pensar…

O poente tem alma: sente e ama!
E, porque o sol é cor dos olhos d’Ele,
Eu fico olhando o sol, a soluçar…

Florbela Espanca

Pintura: Reverie – Alfred Stevens (Bélgica, 1823-1906)


Reverie.-Janos Laszlo Aldor (Hungarian, 1895-1944)

JANOS LASZLO ALDOR (Hungria, 1895 -1944)


Heart On Her Lips And Soul Within Her Eyes by John William Godward

JOHN WILLIAM GODWARD (Reino Unido, 1861-1922)


Anúncios

Escolha

CharlesCourtneyCurran9J

Apesar do medo

escolho a ousadia.

Ao conforto das algemas, prefiro

a dura liberdade.

Vôo com meu par de asas tortas,

sem o tédio da comprovação.

Opto pela loucura, com um grão

de realidade:

meu ímpeto explode o ponto,

arqueia a linha, traça contornos

para os romper.

Desculpem, mas devo dizer:

eu

quero o delírio.

Lya Luft

in Pra não dizer adeus

Pintura: Charles Courtney Curran (EUA, 1861-1942)



Entre o luar e o arvoredo

43.william-oliver

Entre o luar e o arvoredo,

Entre o desejo e não pensar

Meu ser secreto vai a medo

Entre o arvoredo e o luar.

Tudo é longínquo, tudo é enredo.

Tudo é não ter nem encontrar.

Entre o que a brisa traz e a hora,

Entre o que foi e o que a alma faz,

Meu ser oculto já não chora

Entre a hora e o que a brisa traz.

Tudo não foi, tudo se ignora.

Tudo em silêncio se desfaz.

Fernando Pessoa
Pintura: William Oliver (Inglaterra, 1823-1901)



No banco de jardim

Among the Roses Pierre Auguste Renoir - 1882

NO BANCO DE JARDIM

No Banco de jardim
o tempo se desfaz
e resta entre ruídos
a corola de paz.
No banco do jardim.
a sombra se adelgaça
e entre besouro e concha
de segredo, o anjo passa.
No banco de jardim,
o cosmo se resume
em serena parábola,
impressentido lume.

Carlos Drummond de Andrade (Brasil, 1902-1987)

Pintura: Pierre Auguste Renoir (França, 1841-1919)



A lua vem surgindo cor de prata…

Dubrovnik by Moonlight -1915- Eduard Kasparides (austrian painter)

EDUARD KASPARIDES


a-lake-by-moonlight-joseph-wright-of-derby

JOSEPH WRIGHT OF DERBY


Alfred Edward Lambourne - Moonlight---Silver Lake, Cottonwood Canyon 1880

ALFRED EDWARD LAMBOURNE


the moonrise by Gillermo Gomez Gil - 1906

GUILLERMO GOMEZ GIL


Moonlight - 1892 - Fridolf Weurlander (finnish painter)

FRIDOLF WEURLANDER


Henri-Joseph Harpignies (Fr. 1819-1916), Clair de lune

HENRI-JOSEPH HARPIGNIES


Atkinson Grimshaw - A Wet Road by Moonlight, Wharfedale

JOHN ATKINSON GRIMSHAW


Pushkin in Gurzuf -1880- Ivan Aivazovsky (russian painter)

IVAN AIVAZOVSKY


Nature shots of our holiday in Edebäck, Sweden - by Ronny Gabriels

RONNY GABRIELS


HORA INDECISA

A lua branca
brilha no bosque.
De ramo em ramo,
parte uma voz que
vem da ramada.

Oh! bem-amada!

Reflete o lago,
como um espelho,
o perfil vago
do ermo salgueiro
que ao vento chora.

Sonhemos, é hora…

Como que desce
uma imprecisa
calma infinita
do firmamento
que a lua frisa.

É a hora indecisa…

Paul Verlaine



Nossas marcas no tempo…

le-vieux-schnapseur-un-jules-avec-verre-de-schnaps-1900-Albert Anker

NOSSAS MARCAS NO TEMPO…

Trago dentro do meu coração,
Como num cofre que se não pode fechar de cheio,
Todos os lugares onde estive,
Todos os portos a que cheguei,
Todas as paisagens que vi através de janelas ou vigias,
Ou de tombadilhos, sonhando,
E tudo isso, que é tanto, é pouco para o que eu quero.

(Passagem das Horas – Poema de Álvaro de Campos, heterônimo de Fernando Pessoa)

Pintura: Albert Anker (Suiça, 1831-1910)



Primavera – Olavo Bilac

Spring by Ignacio Pinazo Camarlench (spanish painter)

PRIMAVERA
Ah! quem nos dera que isso, como outrora,
inda nos comovesse! Ah! quem nos dera
que inda juntos pudessemos agora
ver o desabrochar da primavera!
Saíamos com os pássaros e a aurora,
e, no chão, sobre os troncos cheios de hera,
sentavas-te sorrindo, de hora em hora:
"Beijemo-nos! amemo-nos! espera!"
E esse corpo de rosa recendia,
e aos meus beijos de fogo palpitava,
alquebrado de amor e de cansaço….
A alma da terra gorjeava e ria…
Nascia a primavera…E eu te levava,
primavera de carne, pelo braço!
Olavo Bilac

Ilustração: Ignacio Pinazo (Espanha, 1849-1916)



Canção da primavera – Mario Quintana

kpm0166

CANÇÃO DA PRIMAVERA
Primavera cruza o rio
Cruza o sonho que tu sonhas.
Na cidade adormecida
Primavera vem chegando.

Catavento enloqueceu,
Ficou girando, girando.
Em torno do catavento
Dancemos todos em bando.

Dancemos todos, dancemos,
Amadas, Mortos, Amigos,
Dancemos todos até

Não mais saber-se o motivo…
Até que as paineiras tenham
Por sobre os muros florido!

(Mario Quintana; Canções, 1946)

Ilustração: Placa de porcelana KPM