Revista Virtual de Artes, com ênfase na pintura do século XIX

Trilussa: Três momentos

Carlo Alberto Salustri, (Roma, Itália, 26 de outubro de 1871 — Roma, Itália, 21 de dezembro de 1950)

Poeta satírico italiano, Trilussa (anagrama do seu sobrenome), conhecido e aplaudido em todo o mundo, principalmente no Brasil, na década de 30 do século passado. Sua ironia mordaz não poupava as vaidades e as pretensões humanas do seu tempo, evidentes e reconhecíveis sob a máscara de bichos humanos e selváticos. Advogados, magistrados, diplomatas, religiosos, políticos, governantes e governados – eram o alvo certeiro de suas sátiras bem imaginosas, escritas em dialeto romanesco, uma espécie de gíria da capital italiana.

ORGANIZANDO O MINISTÉRIO

Quando à "Raposa" que tem um tino sério,
lhe deram a incumbência delicada
de compor como quisesse o ministério,
naturalmente sentiu-se muito honrada.

E os animais empenhou-se a convocar.
Porém o Porco ela não mandou chamar
pois disse a muito astuta com fineza:
"- Não convém…que ele é tão falto de limpeza!…"

"Tens razão" lhe disse o Cão que estava ao lado,
além de sujo, nojento e desastrado,
tem um outro inconveniente todavia,
pois se ao governo ele for, assim, levado,
ficará sempre com ele…a maioria!…

(traduzido por Breno Di Grado)

rir

AO PÉ DA LETRA

– Como te chamas? – Jão Apollinario
– Idade? – Trinta. – Estado? – Sou casado.
– A tua profissão? – Desocupado.
– Como vives? – Do modo mais precário.
– Que fazia teu pai? – Tudo ao contrário.
– Como assim? – É que ao mundo, fui lançado
Quando meu pai estava encarcerado:
Eu sou filho de um erro judiciário.

– Como explicar então que fosse visto
De uma igreja saindo, de surpresa,
Depois de haver furtado um Jesus Cristo?

– Um crucifixo de ouro, seu doutor?
– Sim, que vais alegar em tua defesa?
– Que se respeite um livre pensador.

(tradução: Paulo Duarte)

cat miitary

O GATO SOCIALISTA

Um gato que bancava o socialista
com o fim de chegar a deputado,
estava comendo um frango assado
na cozinha de um capitalista.

Outro gato, com lógica sectária,
disse-lhe desde a borda de um postigo:
– "Pensa que eu também, querido amigo,
pertenço à mesma classe proletária.

E bem sei que, se numas revoadas,
eu descer, esse frango que dispões
o partirás já já em duas rações
pois não somos, debalde camaradas".

– "Ah, não!" – disse o outro sem pudor –
"Eu não divido nada, ó meu artista,
porque, se em jejum sou socialista,
comendo, sempre sou conservador!".

(traduzido por CARLO PRINA)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s